Comando screen no Linux

Usando o comando screen no SSH Linux

Antes de começar, eu vou informar a vocês o que podemos fazer usando o comando screen.

Muitas vezes temos a necessidade de rodar vários comandos de uma vez. Você provavelmente irá abrir várias sessões do ssh para isto, porém, existe uma maneira melhor, mais segura e recomendada.

Outra necessidade que frequentemente irá surgir, é rodar um comando ou script que levará horas para terminar, como por exemplo um rsync. Isto requer que você mantenha a conexão aberta no ssh, pois se você fechar, o script ou comando também se encerrará, o que pode ser um problema se você tiver a sua conexão a internet interrompida.

Devido a estes problemas que temos o screen para nos ajudar a contornar-los.

Screen – torna possível rodar vários pseudo terminais, manipular e salvar suas entradas e saídas no screen, além de copiar e colar entre as janelas.

Vou mostar como rodar um comando que leva horas, dentro de um screen.

Vamos primeiramente instalar o screen, usando yum, apt-get, ou algum gerenciador de pacotes que você tiver disponível.  Em nosso exemplo usaremos o yum.

yum install screen

Agora digite:

screen

Este comando iniciará uma nova janela dentro do screen para você. Você tem também a opção de iniciar o comando dando um nome a janela (parametro -S). Exemplo:

screen -S janela1

Neste caso, a janela se chamará “janela1″.

O screen funciona como qualquer outra sessão dentro do ssh. Você pode digitar qualquer comando agora, que irá rodar normalmente.

Se você quiser sair da sessão do screen, deixando-a ativa, e manter o comando que estava sendo executado, faça:

Ctrl-a d (pressione control +a, solte, e em seguida aperte d)

Então, quando você quiser voltar a janela screen, digite:

screen -r

Outras opções que você tem quando está dentro do screen são:

1. Para criar uma nova sessão:

Ctrl-a c

2. Para alterar entre as sessões:

Ctrl-a n

Existem outras possiblidades de uso. Para maiores informações e ajuda, você pode utilizar no seu terminal:

man screen

 

Caso deseje se aprofundar mais no neste comando segue o link.

https://stato.blog.br/wordpress/trabalhando-com-o-screen/

 

Fonte desta matéria: https://central.clicdomain.com.br/knowledgebase/115/Usando-o-comando-screen-no-SSH-Linux.html

 

 

Configurando VLANs Centos6/RHEL

A configuração de VLANs sob FC / RHEL / CentOS é algo que eu sempre acabo procurando no script “ifup” e experimentando.
Isso é agravado por haver duas convenções diferentes que podem ser usadas para a nomeação da interface.
Aqui está como eu configuro as VLANs. Primeiro de tudo, a interface base precisa ser configurada. Geralmente, ele já tem pelo menos um arquivo stub, que precisa ser modificado para ter os seguintes elementos.
vlan01
Neste exemplo, estou configurando o dispositivo “eth0” (o arquivo / etc / sysconfig / network-scripts / ifcfg-eth0 ”, com o endereço MAC de“ AA: 17: 31: 9C: 8D: BC ”. precisa ligar os valores do seu sistema para estas duas linhas, e o resto deve ser deixado o mesmo

Para interfaces “vlanX”

Se você quiser suas interfaces chamadas “vlanX”, use esta seção.
A próxima seção descreve como configurá-lo para interfaces denominadas “eth0.X”.
O benefício da nomeação de vlanX é que, se você tiver apenas um espaço de nome de VLAN, não precisará se preocupar com qual interface possui a marcação de VLAN ativada.
Se você mover a interface física, os nomes da interface vlan permanecerão os mesmos, para que você não precise modificar regras de firewall, etc…
Para configurar a VLAN com ID 5, no eth0,
você criaria um arquivo chamado “/etc /sysconfig/network-scripts/ifcfg-vlan5” com o seguinte:
vlan02
A linha “PHYSDEV” é necessária para informar ao script “ifup” para qual dispositivo conectar a VLAN.
Uma vez feito isso, “ifup vlan5” deve abrir sua interface vlan5 com as informações de IP especificadas acima.
“ONBOOT” diz que a interface deve ser ativada na inicialização.
A linha “VLAN_NAME_TYPE” especifica que os dispositivos devem ser denominados “vlan5”.
Isso só precisa aparecer no primeiro arquivo de interface vlan, mas provavelmente é melhor tê-lo em todos eles, caso o primeiro seja removido.
Note que apenas o primeiro é usado, então você não pode ter nomes diferentes entre as VLANs através dos scripts de rede da Red Hat.
Para fazer isso, você teria que configurar manualmente as diferentes
interfaces.

Para interfaces “eth0.X”

O outro método para nomear é “eth0.X”, que tem o benefício de não ser necessário especificar o nome da interface no script ifcfg.
Além disso, como as interfaces de VLAN são nomeadas com base na interface física, você pode ter espaços de nome de VLAN diferentes.
Em outras palavras, eth0.5 pode ser uma rede diferente da eth1.5. No
entanto, os IDs de VLAN têm um espaço de nome de até 4096, portanto, a menos que você esteja lidando com várias redes fora de seu controle, você pode (e deve) provavelmente usar um espaço de nome da VLAN não sobreposto.
O drawback é que o /etc/sysctl.conf interpreta o “.” No nome como significando um “/” na hierarquia / proc, que quebra coisas como “net.ipv4.conf.eth0.5.forwarding = 1 “
Para configurar o “eth0.5”, escreva um arquivo “/etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0.5” com:
vlan03
Isto é o mesmo que para “vlan5” acima, mas as linhas “PHYSDEV” e “VLAN_NAME_TYPE” podem ser omitidas.
Fonte: tummy.com

Fazendo verificação erros de disco, hd externo ou pendrive pelo Windows 10.

A integridade dos dados do disco rígido é sempre uma preocupação dos para nós usuários.

Este tutorial irá abordar como realizar checagem e correção dos disco que executam no sistema operacional windows 7, 8 e 10.

  1. Windows 8: pressione a tecla do Windows () + X.
    Windows 7/Vista/XP: clique com o botão direito do mouse em (Meu) Computador e selecione Manage (Gerenciar).
  2. Selecione Disk Management (Gerenciamento de Disco).
  3. Na janela inferior, clique com o botão direito do mouse na caixa de partição, localizada à direita da caixa contendo o número do disco (ou seja, Disk 1 (Disco 1)).
  4. No menu suspenso, selecione Properties (Propriedades).

    checkdisk01

  5. No menu Properties (Propriedades), selecione a guia Tools (Ferramentas).
  6. Selecione Check now (Verificar agora)…

    checkdisk02

Procedimento com linha de comando:

Para executar CHKDSK:

  1. Windows 8: pressione a tecla do Windows (a) + X e selecione Command Prompt (Admin) (Prompt de Comando).
    Windows 7/Vista:

    1. Clique no menu Start (Iniciar).
    2. No campo Search (Pesquisar) programas e arquivos, digite:
      cmd
      e pressione Enter.

    Windows XP:

    1. Clique no menu Start (Iniciar).
    2. Selecione Run (Executar)…
    3. Na janela Run (Executar), digite:
      cmd
      e pressione Enter.
  2. Na janela, digite:
    chkdsk x: /f
    onde x é a letra de unidade do disco que você deseja testar.

 

Fonte: http://knowledge.seagate.com/articles/en_US/FAQ/184611en?language=pt-br

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=E7V0nWHDLKg

EXPORTAR VMS DO VIRTUALBOX PARA O VMWARE

 

VirtualBox para VMware

Antes de migrar uma máquina virtual do VirtualBox para VMware, certifique-se que está “desligado” no VirtualBox – não suspensa. Se for suspenso, inicie a máquina virtual e desligá-lo.

2

Clique no menu Arquivo e selecione Exportar VirtualBox Appliance.

3

Selecione a máquina virtual que você deseja exportar e fornecer um local para isso.

4

VirtualBox irá criar um nOpen Virtualization Format Archive (arquivo OVA) que VMware pode importar. Isso pode levar algum tempo, dependendo do tamanho do arquivo em disco da sua máquina virtual.

5

Para importar o arquivo OVA em VMware, clique em Abrir a opção Virtual Machine e navegue até o arquivo OVA.

6.png

VirtualBox e VMware não são perfeitamente compatíveis, então você provavelmente vai receber uma mensagem de aviso dizendo que o arquivo “não passou desempenho especificação OVF” – mas se você clicar em Repetir, a máquina virtual deve importar e funcionar corretamente.

7

Depois que o processo for concluído, você poderá inicializar a máquina virtual VMware, desinstale o VirtualBox Guest Additions no Painel de controle dentro da máquina virtual e instalar o VMware Tools no menu da máquina virtual.

VMware para VirtualBox

Antes de migrar uma máquina virtual do VMware para VirtualBox, certifique-se que está “desligado” em VMware – não suspensa. Se for suspenso, inicie a máquina virtual e desligá-lo.

8

Em seguida, navegue até a pasta OVFTool. Se você estiver usando o VMware Player, você vai encontrá-lo em C:\Program Files (x86)\VMware\VMware Player\OVFTool. Mantenha a tecla Shift, clique com botão direito dentro da pasta OVFTool e selecione Abrir janela de comando aqui.

9

Executar ovftool com a seguinte sintaxe:

ovftool source.vmx export.ovf

Por exemplo, se quiséssemos converter a máquina virtual localizada em C:\Users\NOME\Documents\Virtual Machines\Windows 7 x64\ Windows 7 x64.vmx e criar um novo arquivo OVF em C:\Users\NOME\export. ovf, nós execute o seguinte comando:

ovftool “C:\Users\NOME\Documents\Virtual Machines\Windows 7 x64\Windows 7 x64.vmx” C:\Users\NOME\export.ovf

Se você receber uma “falha ao abrir disco” erro, é provável que a máquina virtual ainda está em execução ou não foi desligado corretamente – inicializar a máquina virtual e executar um desligamento.

10

Uma vez que o processo for concluído, você pode importar o arquivo OVF. No VirtualBox. Use a opção Appliance Import no menu File.

11

Depois que o processo for concluído, você pode iniciar a máquina virtual, desinstalar o VMware Tools e instale o VirtualBox Guest Additions.

Fonte: https://empiricalnet.wordpress.com

HD Externo pedindo para formatar. O que fazer?

Boa tarde, pessoal,

Agora irei mostrar como resolver o problema em não conseguir acessar o hd externo ou pendrive, o que fazer quando os mesmo ficam pedindo todas vez para serrem formatados além de não permitir abrir-los.

 

Abra o PROMT DE COMANDO como administrador e digite o seguinte comando

chkdsk j:/f

Lembrando que a letra j no meu caso era a unidade em estava o meu HD Externo.

 

Pronto após isso você será capaz de acessar os dispositivos normalmente.

 

Fonte:  https://www.youtube.com/watch?v=QTjqKAvBHvs